Lembrando que...

No meu blog há inúmeras imagens, artigos e materiais encontrados na internet.
Caso vc seja o autor de quaisquer materiais, deixe seu recadinho, que lhe darei os devidos créditos.
Sem mais,
Julia Campanucci

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Pra volta as aulas...



Escola. É para lá que vamos desde pequenos. É nossa responsabilidade. Temos horário para entrar e sair, tarefas a cumprir, gente a conhecer: professores, diretores, inspetores, a moça da cantina, o caseiro. Gente à obedecer. É preciso ler, escrever, falar, argumentar, ficar quieto, se calar e mais, tem q saber a hora certa pra tudo isso acontecer, sem engano!

É comum ouvirmos familiares, amigos (geralmente os adultos, gente grande) dizer q é preciso ir a escola para nos tornarmos alguem na vida.

Sei lá, só sei q depois de ouvir isso vc passa longos anos aguardando o dia em que irá usar tudo aquilo que está nos livros de história, registrado no caderno e gravado no disquete. É uma loucura! Loucura, pq parte de vc deseja a chegada deste dia e a outra parte se alivia pela demora, afinal vc não tem certeza se sabe de verdade tudo o que há nos livros, nos cadernos e nos disquetes...

A verdade é que é tudo diferente!

Tive na vida ótimos, excelentes professores. Tive também professores cretinos, severos, ditadores. Tive professores loucos, amigos da turma, alguns q eu não sabia ao certo se eram só professores ou se eram tbem pais e outros que pareciam meus rivais. Me ajudaram e me ensinaram muitas coisas, mas tenho que confessar: "_Não me ensinaram a viver." A vida eu tive e tenho que aprender sozinha.

Hoje eu tbem sou professora, por muito tempo me esquivei desse título, dessa imagem, dessa grande responsabilidade. Sei lá, não quero ensinar aos meus alunos apenas letras, palavras e poemas. Quero q eles se tornem poetas. Quero q eles entendam que subtrair uvas, bananas e maçãs num problema matemático é bem menos difícil que subtrair ou perder um amor, um pai, uma oportunidade única, um amigo, um emprego, uma mãe... Que adicionar figuras em um album, uma menina em sua lista, um contato em seu orkut e um nome em sua agenda é simples. Bem mais simples que adicionar um amigo em sua vida, um item a geladeira e uma esposa verdadeira... Que dividir balas, chocolate e pirulitos dá trabalho, mas que na vida é preciso dividir também o tempo, a atenção e não só o 'refri' e o macarrão... Resolver a equação, o x da questão é quase mágico. Mas magia mesmo, acontece qdo desvendamos sentimentos guardados em nosso coração, qdo nos damos conta que para descobrir valores em si e no próximo não são necessários truques, mas teor...

Quero poder dizer ao meu aluno que um dia ele vai trancar a porta do quarto e não vai ser pra estudar. No silencio, no vazio vai descobrir dentro de si que questão dificil não foi aquela do ultimo bimestre, mas q dificil é achar a solução dos pq's que afloram: pq do tédio? pq da solidão? pq do amor, do desamor? E junto do pq vem tambem o será: será q vem? será q ama? será q gosta ou desgosta? será q leu ou não leu? o q será q faz agora? será q telefono ou escrevo? será? será? será? Será q passa? será q cura? será q sara? será...

Quero falar de rejeição, descrever o q é, mas não uma descrição superficial como um dicionário. Quero descrever o que de fato é, ser rejeitado na entrevista do emprego, da galera do recreio e por quem ama, o tempo inteiro...

Quero lembrar-lhes q é preciso de Física, Química e Biologia pra vencer a depressão

Força Fisica pra levantar da cama, por os pés no chão

Há quem recorra á Quimica: remédios, bebidas q excitam ou algo q vicia. Mas eu recomendo a quimica q vem da simples alegria ou da luz do sol no pleno dia

Da Biologia é preciso só a Bio, pois é preciso a companhia ou a vida de um amigo, é preciso o brilho de um olhar, e o som daquele riso e quem sabe até, um retrato bem antigo

Na aula de história, quero conhecer a história não dos grandes homens q viveram por aq q eu nem sequer conheci, quero saber a história dos meus meninos e meninas, ouvir suas conquistas, suas capturas no jardim, seus feitos seus desfeitos ouvir deles meus defeitos e seus efeitos...

Contar pra eles a verdade. Que eu não sou o q alguém diz

_ não sou a professora, mas sim a aprendiz!

Julia Campanucci



3 comentários:

Denis disse...

Lindo d+!! Precisei ler uma vez, para perceber que estava lendo algo especial. Precisei ler pela segunda vez, entender a combinação de palavras. Li pela terceira vez, para esquecer tudo isso e só pensar no significado das palavras. E vou ter que ler não sei quantas vezes mais, para entender cada parte do texto e ele inteiro, não porque não sou capaz, mas porque gosto.
Parabéns!!
Abs,
Denis

Lia disse...

Puxa!!!!!! Ki lindo vc estava inspirada hein!!!!!Deu até vontade de voltar a ser criança pra ser minha tia Ju...Quem sabe hoje eu não seria tão complicada assim!!!!
Parabéns pelo texto.
Vem cá vc da aulas particulares kikiki se sim não cobra muito caro não nééééééééé´,num to podendo comprar nem uma bala...
Lgal Ju disse td o que é realmente a noção de quem vive uma vida inteira pra depois ver se tira proveito dakilo que se aprendeu ou dentro dele ou fora dele.
Bjão *_*

Maü Cardoso disse...

Querida e bela, Ju...
Verdadeiramente, encantador.
Relação direta e clara, entre
a realidade da vida e a sua
realidade com seus alunos.
Isso, chama-se verdade.
Isso chama-se integridade e a
real descoberta do que se sente e
do que se quer.
Achei lindo esse texto.
Claro, real e profundo.
De emocionar, na verdade.
Adorei.
É isso que se espera de uma educadora de verdade.
Parabéns...
E agora, posso te contar uma idéia
meio maluca que tenho?
Sabe, tenho uma idéia a respeito
da educação, que vai um pouco
além dos métodos tradicionais
de ensino.
Alguma coisa mais abrangente e
que favoreça os alunos de uma
maneira integral.
Eu explico...
Gosto da idéia, dos alunos
receberem as informações se utilizando de todos os sentidos.
E não somente a visão e audição,
como numa aula tradicional.
Afinal, existem outros sentidos
fundamentais também, como a tato,
o olfato e o paladar.
Na verdade e na prática, minha idéia seria de estimular os alunos com esses outros sentidos, para que as informações tivessem outros canais de absorção e que, consequentemente, o conhecimento se fixasse de uma maneira mais profunda e natural, na realidade do aluno.
Inclusive, para ajudar os alunos
que são menos visuais e menos
auditivos, mas que tem os outros
sentidos bastante apurados.
Exemplo: Imagine, nem que seja de uma maneira lúdica, um fogão à lenha, alunos ao redor e uma aula de história sendo dada. O perfume da comida sendo preparada e, num tempo seguinte, o sabor dessa comida sendo apreciada pelos alunos, juntamente com as informações da aula. Não sei...
Mas me perece uma aula mais completa e com uma chance de aproveitamento, muito maior.
Todos os sentidos ali, presentes.
Claro... Isso foi somente um exemplo. Na prática, seria preciso ver de que maneira essas aulas poderiam acontecer. Eventualmente, uma aula dessas por semana.
Não sei, mas essa idéia de trabalhar os outros sentidos do
aluno, na apresentação de uma
matéria, em sala de aula, me
parece uma idéia ineressante.
O que você acha?

Ju, me desculpe pelo comentário
tão longo e tão maluquinho.
Me desculpe pelo devaneio...
Acho que me empolguei.

Fique com Deus...
Um beijo grande,
Maü Cardoso